terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Mães antes do tempo: As contradições quanto ao papel da mulher nas sociedades contemporâneas

O texto que se segue é um resumo da minha Dissertação de Mestrado apresentada no Instituto de Psicologia da UFRJ em julho de 2003.
Como objetivo principal procurei analisar os significados que adolescentes de classe média atribuíam à própria maternidade. Assim, a ‘CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE’ nos remete também à construção da família brasileira contemporânea, à construção do papel da mulher como: complemento do homem, ‘rainha do lar’, sexo frágil, mãe devota e profissional competente.
Considerando a maternidade como construção discursiva elaborada ao longo de uma constante reestruturação simbólica da família e do feminino, objetivamos compreender como mães adolescentes de classe média atribuíam significados a sua experiência da maternidade. Realizamos entrevistas semi-estruturadas com cinco jovens mães, residentes no município do Rio de Janeiro e os textos resultantes da transcrição das entrevistas foram submetidos a uma análise de discursos. A análise apontou para o fato de que a maternidade para essas jovens assume significados contraditórios. De um lado, a maternidade exige a renúncia de si em função dos filhos, mas, de outro, ela não impede a realização pessoal e profissional da mãe. Os papéis do pai e da mãe também são vistos de forma contraditória, uma vez que, apesar da defesa da igualdade de tarefas entre homens e mulheres no tocante à criação dos filhos, o papel da mãe é supervalorizado em detrimento do papel do pai. A relação entre maternidade e adolescência também não se faz sem conflitos: a maternidade exigiria que a jovem deixasse de agir como adolescente e passasse a agir como ‘mãe’, isto é, como uma mulher madura. De maneira geral, podemos dizer que nossos resultados apontam para algumas mudanças, pelo menos discursivas, na maneira como nossas entrevistadas concebem a maternidade. Entretanto, também pudemos observar a forte presença de valores tradicionais em suas falas. Isso pode indicar que a subjetividade dessas jovens se estrutura em meio a uma série de ambigüidades em relação ao papel da mulher nas sociedades contemporâneas.

Nossa pesquisa se baseou nos seguintes pressupostos da metodologia qualitativa da Análise de Discursos:

*a linguagem é uma via de acesso aos aspectos culturais nos quais o locutor se insere
*a análise da linguagem não pode estar desvinculada da sociedade que a produz
*o sujeito é ativo na elaboração de sua fala
*o sujeito é produzido pelas relações sociais e contribui para mantê-las ou transformá-las

Pesquisa de Campo
FASE 1

Foram aplicados questionários a alunas da turma do 1° período de Psicologia do IP/UFRJ, a fim de auxiliar na elaboração do roteiro das entrevistas.

Resultados da FASE 1 (Questionário)
A maioria afirmou ser contra o aborto.
A maioria deseja ser mãe pelas seguintes razões:
* A maternidade faz parte da “natureza feminina”
* A maternidade é necessária para a perpetuação da espécie
* A maternidade faz com que se tenha alguém para compartilhar a vida

Pré-condições para a maternidade:
1. Estabilidade financeira decorrente do próprio trabalho
2. Maturidade emocional
3. Relação afetiva estável

FASE 2
Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas (elaboradas a partir dos dados colhidos na aplicação do questionário citado acima) com 5 adolescentes de classe média, residentes na zona sul do município do Rio de Janeiro.
As entrevistas foram transcritas na íntegra e submetidas à análise de discursos.

Resultados da Fase 2 (Entrevista)
*É enfatizada a igualdade dos papéis entre homens e mulheres.
* O papel da mãe é visto como mais importante do que o papel do pai na criação dos filhos.
* O papel do pai é considerado como uma “ajuda modesta”.
*À mãe cabe, além do cuidado físico e emocional da criança, seu sustento financeiro.
*Grande valorização da amamentação e da presença física da mãe junto à criança.
*A creche é vista como uma última opção porque os cuidados de familiares são compreendidos como superiores aos da creche.

Resultados Finais

*A maternidade está associada ao aumento da responsabilidade.
* A maternidade exige uma postergação dos próprios desejos e planos.
* A maternidade não impede a realização de planos pessoais porque familiares compartilham os cuidados com a criança.
* Há uma cobrança da família para que a mãe adolescente amadureça subitamente
*Há uma disputa entre a adolescente e sua mãe pelos cuidados da criança.

Por Lysianne Moura da Frota