domingo, 2 de maio de 2010

É tempo de Valorizar o Trabalhador!

Em tempos de globalização é preciso pensar no que é mais importante numa organização: as pessoas. São elas que constituem o diferencial agregando valores e conhecimentos. É das pessoas que se deve cuidar.

As empresas que conseguirem captar, reter e desenvolver o que os seus funcionários têm de melhor serão as empresas de sucesso. É preciso investir no potencial humano para fazer a diferença. Quando as empresas investem em pessoas, passam a contar com equipes de trabalho mais motivadas, comprometidas e criativas. Atrás de qualquer produto ou serviço, existe uma pessoa. É cruel distinguir entre a importância do “ser profissional” e do “ser humano”.

A realidade de um ambiente onde o estresse, a falta de reconhecimento, a sonegação de informações, ameaças, líderes tirânicos e perversos, estabelecimento de metas impossíveis, clima de terror, perseguições, provocações e boatos pessoais imperam freqüentemente é destruidora.

O Assédio Moral causa danos concretos e gera prejuízos para as organizações tendo em vista que afeta não apenas a capacidade laboral da (s) vítima (s), mas também de seus colegas de trabalho. Funcionários humilhados e desmotivados perdem o prazer pelo trabalho, adoecem fisicamente e psicologicamente. Perde-se a produtividade, a qualidade do serviço, afastamento por licenças médicas, aumento do absenteísmo e desligamentos consistem em frutos da violência moral no ambiente organizacional.

Dar um basta à humilhação no trabalho envolve informação, organização e principalmente mobilização das pessoas. Ninguém deve se submeter ao Assédio Moral. Apesar de árduo, o melhor caminho é a denúncia. O combate eficaz envolve uma equipe multidisciplinar: sindicatos, advogados, médicos, psicólogos, sociólogos e antropólogos.

Estabelecer o pacto da tolerância e do silêncio é ratificar a política da coação moral e assinar a sentença da própria destruição. Manter-se calado é contribuir para um sistema coercitivo e manipulador.

É possível acabar com a política do medo que reina em algumas empresas através da conscientização dos direitos do trabalhador e ações voltadas para qualidade de vida.

O departamento de Gestão de Pessoas deve ter como premissa a conscientização dos funcionários de todos os níveis hierárquicos da empresa sobre a existência do Assédio Moral, sobre os danos à saúde do trabalhador e da organização e formas de prevenção.

Cabe ao profissional de Recursos Humanos, portanto, “cuidar” do bem mais precioso de qualquer empresa: o ser humano.

E a cada um de nós zelar pelo bem-estar lutando sempre, em toda e qualquer situação, por condições dignas de trabalho e de cidadania.

Parabéns à todos pelo dia do trabalhador!

Cristiane Pereira Santos Lima
Psicóloga - CRP05/30088
Graduada pela Universidade Gama Filho
Pós Graduada em Gestão de Pessoas pela Universidade Cândido Mendes